Contato Cadastre-se
Home A Igreja Notícias Vídeos Galeria de Fotos Downloads Agenda Pedidos de Oração Pastores Biblia On-line Multimidia Loja Virtual

STF ARQUIVA INQUÉRITO CONTRA PASTOR

ATENÇÃO

STF arquiva inquérito aberto contra Marco Feliciano após representação de Jean Wyllys

Pastor Marco Feliciano

Um inquérito instaurado no Supremo Tribunal Federal contra o pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP) foi arquivado pelo ministro Celso de Mello, decano da Corte, a pedido do procurador-geral da República em exercício, José Bonifácio Borges de Andrada.

O inquérito havia sido instaurado em 2013 a pedido do então procurador-geral, Roberto Gurgel, após representação dos deputados Jean Wyllys (PSOL-RJ), Érica Kokay (PT-DF) e Domingos Dutra (à época do PT-MA).

Todo o imbróglio começou com a eleição de Feliciano para a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados. Opositores ao pastor, os três deputados pressionavam o colega para renunciar ao cargo, mas Feliciano não cedeu e publicou um vídeo com pesadas críticas aos três.

Com manchetes e títulos de matérias publicadas na imprensa sobre atos de violência praticados por homossexuais, o vídeo dizia que aquela realidade social era “apoiada por estes deputados”.

Os parlamentares entenderam que o material publicado na internet tirava suas fala de contexto, e por isso, acusaram Feliciano de crimes contra a honra e, também, do delito de peculato, pois supostamente o pastor tinha funcionários fantasmas em sua equipe de assessores.

O então procurador-geral encaminhou o pedido de abertura de inquérito contra Feliciano, mas o atual procurador revisou a ação e pediu que o STF arquivasse o processo. De acordo com informações do portal Consultor Jurídico, o Supremo não pode recusar um pedido de arquivamento de inquérito que tenha sido aberto a pedido da Procuradoria-Geral da República.

Quatro anos depois, o arquivamento aconteceu na primeira semana de abril. Celso de Mello observou “que não houve imputação [falsa] de fato certo e determinado definido como infração penal”, em relação à acusação de calúnia, e frisou que ainda que “ausente esse elemento do tipo, afasta-se a configuração do delito tipificado no artigo 138 do Código Penal”.

Em relação aos delitos de difamação e de injúria, o procurador-geral reconheceu que já se consumou a extinção da punibilidade do deputado, e, portanto, mesmo que o crime fosse comprovado no inquérito, não poderia ser punido.

Sobre o peculato, o procurador-geral entendeu que não existem indícios suficientes para configurar a prática: “Passados quase quatro anos desde sua instauração e realizadas diversas diligências, os autos revelam-se desprovidos de subsídios que possam justificar a continuidade das investigações quanto ao delito em comento”.

Segundo a assessoria de imprensa do STF, Celso de Mello fez uma ressalva, observando os termos do artigo 18 do Código de Processo Penal (CPP), e deixou aberta a possibilidade de reabertura das investigações penais, desde que “haja provas substancialmente novas e que não se tenha ainda consumado a extinção da punibilidade do parlamentar”.

Por Tiago Chagas – Fonte Gospel Mais

Notícias anteriores

Anterior
1 | 2 | 3
Próximo
Mostrando 1 de 3 páginas
Encontrados: 24